Psicose – Robert Block

Psicose – Robert Block

Voltei ao velho impasse, odeio ler alguma coisa que já sei e que todos da humanidade também sabem o final, mas devo confessar que Psicose foi uma agradável surpresa, uma leitura que se mostra antes do seu início um porre com poucas expectativas mas que depois te prende até o final, tenho a dupla sensação de satisfação se é que isto existe (Qualquer resultado acima da expectativa já é mais que suficiente), saber o final tornou este livro mais incrível ainda, eu sei que o direito da dúvida e da surpresa nos traz aquela prazerosa sensação de descoberta e tudo o mais, porem quando já se sabe o final e o que motivou tudo conseguimos uma análise mais detalhada da doença de um dos(as) assassinos(as) mais perturbados da história literária.

” Livro que deu origem ao mais famoso filme de suspense de todos os tempos. Psicose conta a história de Marion Crane, que foge após roubar o dinheiro que foi confiado a ela depositar num banco. Ela então vai parar no Bates Motel, cujo proprietário é Norman Bates, um homem atormentado por sua mãe controladora. Belo suspense, de tirar o fôlego! “

A Loucura em seu estado mais bruto e a dependência de um filho sobre a rígida Mãe traz a este clássico um tom próximo ao cotidiano, por mais provinciano que esta relação seja, temos no livro momentos de acusações e humilhações de todos os tipos que fazem parte da vida de qualquer pessoa que ainda mora com os pais na idade de Norman. A capacidade do cérebro de se envolver em camadas e criar um quase universo paralelo, um mundo somente dele, em que pouco importa quem está vivo ou morto, o importante é não sofrer.

Pergunta: Porque assumir as responsabilidades quando temos em quem botar a culpa?

Resposta: A doença está nos outros, a maldade está nos outros e principalmente o defeito este com certeza está em qualquer pessoa que ouse se intrometer na relação de Norman e sua mamãe querida.

Temos logo de cara Maryon com seus questionamentos de quão importante é ser honesto em uma sociedade que presa pelo dinheiro e em que pessoas moralmente não merecedoras são as que mais possuem recursos, a insinuação de comprar Mary feita por um cliente do banco na qual ela trabalha serviu como uma desculpa perfeita para não ficar com a consciência pesada e dar um golpe saindo da cidade com o dinheiro deste mesmo cliente, porem este discurso de Justiceira não convence Mary por muito tempo, logo se dá conta e se arrepende do que fez, Mary começa a pensar em quais mentiras irá contar para que as pessoas e principalmente seu namorado que a vem cozinhando em um relacionamento a tempos. 

Para despistar as pessoas nossa nem tão inteligente assim Maryon resolve pegar uma estrada alternativa e é ai que A PORRA FICA SÉRIA, neste momento o querido Bates e sua não tão receptiva Mamãe hospedam a linda Jovem em um quarto.

O Livro é cheio de surpresas e é leitura básica para os fãs de Alfred Hitchcock que iconizou o gênero com a famosa cena do chuveiro, se você nunca assistiu ao filme com certeza já viu ou ouviu a musiquinha aterrorizante desta cena:

Esta é uma daquelas deliciosas experiências em que a ordem dos fatores não altera a sensação, mas se eu pudesse escolher ainda assim preferiria ver o Filme antes do Livro, o surpreendente final não se torna desinteressante devido a brilhante narrativa de Robert, nesta ordem o entendimento sobre a história fica muito mais claro e extremamente mais perturbador.

Comentários
Categoria: Livro
Próximo post
Demônio de Neon
Post anterior
Lista de livros que inspiram a escrever melhor
Menu